Make your own free website on Tripod.com
Yemojá

A mãe de todas as cabeças

Yemojá é a rainha de todas as águas do mundo, sejam as águas doces dos rios ou as águas do mar. Seu nome deriva da expressão Yèyé mo ejá que significa a "mãe dos filhos peixes" Na África era cultuada pelos Egbá, nação loruba da região do Ifé e Ibadan, onde se encontra o rio Yemoja. Este povo se transferiu para a região de Abeokutá, levando consigo os objetos sagrados da deusa que foram depositados no rio Ogun que, não tem nada a ver com o Orisá Ogun.
controlou-se ao ser abandonada por eles. O desgoverno emocional causado por essa crise familiar fez Yemanjá chorar desesperadamente.
Ela acabou se desmanchando em suas próprias lágrimas e transformou-se num rio que corre para o mar. Com essa morte tão passional, Yemanjá se transformou em 0risá.
O culto a Yemanjá é bastante difundido no Brasil, ela protege marinheiros e pescadores, asseguran-do pescarias sempre abundantes.
Apesar de no Brasil Yemanjá ser cultuada nas águas salgadas, sua origem e um rio que corre para o mar, como revelam suas lendas.
Certa vez, Yemoja se cansou de permanecer em lfé, então, contra a vontade de seu marido Olofim, fugiu em direção ao oeste. Olóòkurm (seu pai segundo a tradição de Oió ou sua mãe na região de lfé) em outra ocasião havia lhe dado, por medida de pre-caução, uma garrafa que ela deveria
No último dia do ano, uma multidão de fiéis vestidos de branco invade as praias a fim de pedir proteção à "rainha do mar", entregan-do-lhe flores, jóias, perfumes, sabonetes e muitos outros presentes, rogando paz e pros-peridade.
Muitas vezes, porem, a imagem que essas pessoas têm de Yemanjá, ou seja, aquela mulher branca, corri longos cabelos negros e vestida com uma túnica azul, está muito
quebrar quando se encontrasse em perigo. Assim, Yemoja foi instalar-se no "Entardecer da Terra". 0 exército de Olofim, rei de lfé, saiu à procura da deusa. Quando se viu cercada, Yemoja não se deixou prender e ser conduzida de volta a lfé, quebrou a garrafa e imediatamente formou-se um rio que a levou para o mar, a residência de sua mãe Olóòkum. ....
Contam que Yemoja foi violentada por seu filho Orugan e dessa relação incestuosa nasceram diversos Orisás e de seus seios rasgados jor-raram todos os rios do mundo. Porém, outra
lenda conta que Yemanjá, após rejeitar seu
filho Osossi (que esteve encantado por Osanyín) e por isso enfrentar a rebeldia de Ogún, des-

.distante da figura da grande mãe africana de selos chorosos que realmente é.....
Dissimulada e ardilosa, Yemanjá faz uso de chanta-gem afetiva para manter os filhos sempre perto de si e já vimos como se aproveitou da ingenuidade de Nàná para tomar-lhe o marido Osalá.

P or ser a Iyá Ori (mãe da cabeça), acompanha
todos os rituais no Candomblé. É ela que auto-

riza a iniciação de qualquer filho-de-santo por isso deve ser evocada na cerimônia do "Bori"
(comida à cabeça).

Yemanjá divide com Òsun o domínio sobre a maternidade, mas ela não é a mãe das crianças e sim dos jovens e dos adultos que já adquiriram personalidade e individualidade, sua função é a maternidade enquanto educadora.